O menino da barraca de morangos



Tem dia que a gente não acorda bem. E esse foi um desses dias.


Tinha trabalhado até 23h30 no dia anterior e tinha que estar de volta no trabalho às 10h. Não sei se você já teve algum trabalho que você precisa passar 8h por dia em pé, carregando coisas pesadas e, além de todo trabalho físico, ter que ficar atento, sorrir e se esforçar pra cometer a menor quantidade de erros possíveis. É o corpo e a cabeça trabalhando no máximo.


Quando eu trabalhava a maior parte do meu dia sentada atrás de um computador achava que o cansaço mental já era demais pra mim. Hoje eu sei que o combo dos dois pode ser bem cruel.


Pois bem. Sai de casa me arrastando depois de uma noite bem mal dormida e um café da manhã bem fajuto. Peguei o primeiro ônibus e tomei meu rumo. No ponto que eu tenho que trocar de ônibus tem uma barraca que vende frutas e legumes. Achei sensato comprar morangos, já que eu tinha um dia longo me esperando.


Peguei minha caixa e meus dois pounds, entreguei para o menino, que não deve ser mais velho do que eu e ele me fez uma pergunta muito simples: "Como está seu dia hoje?". Eu confesso que não estava esperando por essa simpatia toda dentro do meu mal humor matinal. Eu acho que até fiz uma cara de susto e disse: "Tudo ótimo, e o seu?". E ele disse: "Está tudo ótimo! Vai fazer algo especial hoje?". E eu respondi: "Na verdade tô indo trabalhar." Ele olhou pra barraca dele de frutas e me respondeu: "I feel your pain.".


A tradução literal pra essa frase seria "eu sinto sua dor". Pra nós é como se fosse o tão famoso "eu te entendo”, que, obviamente, não tem o mesmo efeito.


Peguei meu morangos, agradeci e fui embora.


Atentendo meus clientes no restaurante eu passei a perguntar pra todos eles: "como está seu dia hoje?". E o sorriso é instantâneo, assim como o meu foi.


Obrigada, menino da barraca de morangos.